Newsletter

Cadastre-se e receba nossos boletins informativos



OPAS/OMS e UNFPA realizam workshop histórico para empresas brasileiras de saúde

Tamanho da letra:

Evento destacou potencial do país para atender demanda internacional da OMS

A emergência pela participação brasileira no mercado internacional farmacêutico foi o ponto central do “Workshop sobre Processos de Pré-Qualificação de Produtos junto à OMS e ao UNFPA”, organizado pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e pela Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS), em parceria com o Ministério da Saúde do Brasil. Durante três dias, laboratórios e empresas da indústria farmacêutica conheceram os parâmetros utilizados pelo UNFPA e pela OMS para pré-qualificar fornecedores da ONU em mercados internacionais.

rsz 1dsc 0225

 Assessora Regional do Fundo Estratégico - OPAS/OMS, Washington- DC, Nora Girón Aguillar. Foto: Tatiana Marotta/UNFPA

O movimento pela inserção do mercado brasileiro a nível internacional interessa especialmente ao UNFPA, pois uma das metas do Fundo é expandir o acesso a insumos de saúde reprodutiva. O Representante do UNFPA no Brasil, Jaime Nadal, trouxe números que chamam a atenção pela necessidade de fortalecer o mercado latino americano: em 2016 a ONU contou com o trabalho de 214 fornecedores de 59 países desenvolvidos e em desenvolvimento, dos quais apenas quatro eram empresas da América Latina e do Caribe, região que consta entre os principais requerentes pela assistência da ONU. O que resulta em maiores gastos com transporte e taxas tributárias, dificultando ainda mais o acesso nessa região.

“Acreditamos que com o workshop conseguimos contribuir para que o Governo brasileiro possa trilhar novos caminhos na garantia de fornecimento desses insumos básicos no âmbito internacional e para que empresas brasileiras possam somar-se a nós no fornecimento de insumos para outros países. É um momento estratégico para nossos esforços de fazer com que as mulheres tenham acesso a insumos de qualidade e a serviços de profissionais qualificados sob um olhar de direitos humanos que precisamos aguçar em nossos futuros fornecedores.”, reiterou.

O evento chamou a atenção dos representantes das sedes internacionais da OMS e do UNFPA, que destacaram o caráter histórico da iniciativa uma vez que houve o encontro inédito de instituições da ONU e da OMS com setores do governo brasileiro (representados pelo Ministério da Saúde), empresas farmacêuticas e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), responsável pela regulação dos produtos no país.

“A partir deste encontro, percebemos que não somos os únicos a enxergar o papel estratégico que o Brasil teria a nível internacional. Mas para que este workshop se torne realmente eficaz, devemos assumir o compromisso de realizar outros encontros na busca de melhor qualidade e de preços mais justos para as regiões que mais precisam do nosso trabalho, pois enquanto demoramos neste processo e cedemos às burocracias que impedem nossos avanços, temos mulheres e crianças que não podem esperar pelo nosso atendimento e o necessitam com urgência”, ressaltou a especialista do Departamento do Controle de Qualidade do UNFPA em Copenhague, Seloi Mogatle.

Regulação local e com qualidade

No workshop, representantes da sede da OPAS/OMS orientaram os participantes a respeito das perspectivas de mercado e produtos de interesse para a organização. Especialistas do UNFPA apresentaram os principais critérios de pré-qualificação de insumos de saúde reprodutiva, enquanto técnicos e gestores da Anvisa mostraram o trabalho desenvolvido pela agência, ponto celebrado no workshop graças à proximidade de seus processos com o protocolo estabelecido pela ONU.

Para o especialista da equipe do Programa de Pré-Qualificação da OMS, Vimal Sachdeva, resta apenas ao Brasil decidir pela colaboração internacional, uma vez que seu mercado já se encontra capacitado. “Este é o momento em que o Brasil tem uma grande escolha a fazer: ou ele permanece em sua zona de conforto ou ele corre em busca do seu lugar no mercado internacional, o que eu encorajo fortemente, pois ele tem todas as condições possíveis de concorrer em qualquer mercado”, enfatizou.

rsz whatsapp image 2017 08 18 at 115045

Representes do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) Foto: Tatiana Marotta/UNFPA

A partir do workshop, representantes da OPAS/OMS e do UNFPA devem se reunir para a discussão dos próximos passos no auxílio às empresas rumo a uma possível pré-qualificação internacional. Do encontro, surgirão ideias para ações em conjunto com representantes de empresas brasileiras e do próprio governo do país.

“Mais do que garantir o acesso das nossas empresas no mercado internacional, precisamos cumprir nossa principal missão: assegurar que mulheres possam ir aos centros de saúde e receber serviços de qualidade, independentemente da região em que se encontram e do momento em que buscam por esse atendimento”, concluiu Jaime Nadal.

Texto: Agnes Sofia Guimarães

banner zica lateral

teste pequeno

banner programa de pais

banner materiais iniciativas

reducao

unfpabrasil A partir de 2020, a população #quilombola poderá ter uma categoria no censo do IBGE. Saiba sobre o debate em… https://t.co/WjwpVe5Hk6
7hreplyretweetfavorite
unfpabrasil Em fórum no Rio de Janeiro, @unfpabrasil debate prevenção e resposta à violência de gênero em emergências… https://t.co/QACEUBFUdZ
9hreplyretweetfavorite
unfpabrasil Qual a relação entre o aumento populacional e as alterações climáticas provocadas pela humanidade?… https://t.co/iWPBCWlYQ1
13hreplyretweetfavorite